CARNET DE NOTES

wCARNET DE NOTES
André Lemos is Associate Professor, Faculty of Communication, Federal University of Bahia, Brazil. PhD in Sociology, Sorbonne (1995), Visiting Scholar University of Alberta and McGill University, Canada (2007-2008). Coordinator of Cybercity Research Group (UFBa/CNPq) and Researcher level 1 at CNPq. Member of Prix Ars Electronica, Wi. Journal of Mobile Media and Canadian Journal of Communication Board. This Carnet is online since March 1st, 2001.


wArchives

POSTS 2001 - 2010


Links para o Carnet
 

VÍDEO AO VIVO DO CELULAR


DERIVAS AO VIVO!

GPS tracking powered by InstaMapper.com




Visit Ciberativismo


CARNET'S QRCODE

qrcode

IBSN: Internet Blog Serial Number 00-15-12-1997




BIOS

CV Lattes/CNPq

Mini CV

Books

Articles/Papers/Essays

RESEARCH

Program in Contemporaries Communication and Culture

Cybercity Research Group (GPC)

Wi-Fi Salvador

cyBeRpunk (2000) (Finished)

Hypertext (1998) (Finished)

CyberUrbe/ IV SoulCyber (2004) (Finished)

LECTURES BLOGS

Communication and Technology

Mídia Locativa (Finished)

Cyberculture, First Steps (Finished)

Cyber-Philosophy (Finished)

ART PROJECTS

p align="center">TWITTERATURA

IDENTITÉ

SUR-VIV-ALL

Ciberflânerie

https - high tech total popular stickers

Videos

Photos

Windows of the World (Finished)

PUBLICATIONS

404nOtF0und

Cyberculture Mailing List

MY BOOKS











Andre Lemos's currently-reading book recommendations, reviews, favorite quotes, book clubs, book trivia, book lists

Locations of visitors to this page



IDENTITÉ, Montreal, Canada (NEW!)


SUR-VIV-ALL, Edmonton, Canada (NEW!)


WI-FI SALVADOR (NEW!)


CIBERFLÂNERIE (NEW!)


Mais CiberFlâneries aqui (NEW!)



FEEDS DO CARNET


Add to My Yahoo!
Subscribe with Bloglines
Blogarithm
Add to Technorati Favorites!

Bloggers' Rights at EFF

Support CC - 2007

Creative Commons License

Llicenciada sob Creative Commons.


Powered by Blogger.
wSunday, May 31, 2009


cityScene



Interessante coletânia de Greg Smith de Toronto, com artigos e trabalhos artísticos tendo como tema a cidades, as mídias locativas, as paisagens urbanas. No site do livro Vague Terrain 13: citySCENE você tem acesso aos textos e trabalhos apresentados na obra. Destaco aqui alguns artigos e trabalhos pela sua relação direta com questões que tenho trabalhado nas mídias locativas:

Descrição da obra:

"Vague Terrain 13: citySCENE collates the ventures of 20 artists and scholars working with a range of mediums that include: code, the body, text, field recording, mobile technology, static and moving imagery and the application programming interface (API). As evidenced by the contributor geo-histories mapped above, these creative practices have benefited from exposure to a significant number of global cities. As much as was possible, this work was curated to acknowledge the great diversity of urban contexts throughout the world."

Destaques

  • Michael Chen and Jason J. Lee's Cognitive Maps and Database Urbanisms has emerged from research conducted within the designers' Crisis Fronts studio at the Pratt Institute's architectural program. This work considers Jameson's notion of cognitive mapping in an age of GIS (Geographic Information Systems), scripting and dynamic data analysis. This methodology has been tested in a suite of case studies which examine issues of mobility in Los Angeles, favela growth in S?o Paulo and water delivery in Mumbai.
  • Ivan Safrin & Christian Marc Schmidt's Pastiche exploits the tension between city space and blog urbanism. This dynamic visualization geolocates neighbourhood names and keywords (culled from online sources) and uses this data to construct a navigable representation of New York City. While the vertical orientation and density of this textscape references the architecture of Manhattan, this project is more akin to a meta-document than any conventional map or 3D model.
  • For Sound Sweep: Sonic Territories and Zones of Forgetting, audio artist Abinadi Meza turns to the dystopian vision of JG Ballard for inspiration. Sound Sweep is a mobile pirate radio broadcast that hacks the airwaves and "perforates and reprograms sonic space" in Los Angeles. Collaborators upload collected "sonic residue" and this serves as the base material for new compositions.
  • Watching the Street (Navigator) is a recent experimental photography project by Mitchell Whitelaw. Photographing the same streetfront every minute for a week, Whitelaw has developed a software application which allows users to navigate the entire body of images for one of these days. This tool also provides an abstracted time-lapse, composite image that maps how light, colour and activity vary across a 24 hour period.

  • Thomas Dreher's Participation with Camera and Locative Media is a comprehensive meta-list of urban mapping precedents, GPS drawing and locative media projects. Dreher provides an essential backstory to contemporary web mapping and situates these developments as tools for citizens to express their local agency and trangress global systems of control.
  • With Mutable Territories, Katharine S. Willis delivers a nuanced analysis of the immateriality of mobile and wireless networks. Willis examines the presence of related infrastructure(s) and revisits urban theorist Kevin Lynch's notions of "landmark, districts, paths, nodes, and edges" as they relate to the digital city.
  • David Drury's Hearing There is a interactive soundwalk along Montréal's Boulevard St. Laurent. Participants are equipped with headphones attached to a PDA device and as they move along the street they hear binaural recordings of nearby interior spaces. This project inverts the relationship between interior and exterior space while foregrounding activities and ambiance that are not readily accessible from the street.
  • Greg Giannis' Peripato Telematikos is a platform for creating subjective mappings for individuals and collectives. This web application allows participants to send MMS messages from a mobile device and create multimedia "tracemaps" which annotate movement with photographs and commentary. Giannis situates this work as a counterpoint to cartographies of control and has thus far staged walks in Darebin and Adelaide, Australia.

Labels: , , ,



posted by André Lemos at 8:40 AM - Permalink - Postar um Comentário


wSunday, March 29, 2009


Geography Reading List



É evidente a nova inflexão nos estudos das mídias em direção a discussões sobre espacialização, lugares, territórios. Os serviços e tecnologias baseados em localização trazem novos desafios para os estudos midiáticos. Reproduzo abaixo uma listagem onde editei e deixei os que considero os menos conhecidos. A lista é de Marisa Olson do Rhizome (vejam link no título do post)

Janet Abrams and Peter Hall (eds), Else/Where: Mapping -- New Cartographies of Networks and Territories, Univ Minnesota Design Institute, 2006

Saul Albert, "Locative Literacy," Mute, July 12, 2004

Marsha Berry, "Locative media: geoplaced tactics of resistance," International Journal of Performance Arts and Digital Media, Volume 4, Issue 2-3, 2009

Hakim Bey, "No Go Zone"

Homi Bhabha, The Location of Culture Routledge, London, 1994

Alexis Bhagat and Lize Mogel (eds.), An Atlas of Radical Cartography, pub. Journal of Aesthetics and Protest Press, 2008

Julian Bleecker, "A Design Approach for the Geospatial Web," O'Reilly Media, June 2005

Joel Bonnemaison, Culture and Space: Conceiving a New Cultural Geography, I.B. Tauris, 2005

Nicolas Bourriaud, Relational Aesthetics, Les Presse Du Reel, 1998

Benjamin Bratton and Natalie Jeremijenko; Laura Forlano and Dharma Dailey, Situated Technologies Pamphlets 3: Situated Advocacy, Summer 2008

Victor Burgin, In/Different Spaces: Place and Memory in Visual Culture, University of California Press, 1996

Mike Davis, City of Quartz: Excavating the Future in Los Angeles, Verso, 2006

Anthony Dunne and Fiona Raby, "Tunable Cities," Architectural Design 68, no. 11/12, November-December 1998

John Fels and Denis Wood, The Natures of Maps: Cartographic Constructions of the Natural World, University Of Chicago Press, 2009

Anne Galloway, "Intimations of Everyday Life: Ubiquitous Computing and the City." Cultural Studies, Volume 18, Numbers 2? 3, pp. 384-408, 2004 [pdf]

Petra Gemeinboeck and Atau Tanaka, "A framework for spatial interaction in locative media", Proceedings of the 2006 Conference on New Interfaces for Musical Expression, June 04-08, 2006, Paris, France

Kevin Hamilton, "Mobility as Freedom in Critical Art and New Media," 2006

Kevin Hamilton, "Absence in Common: An Operator for the Inoperative Community," (ISEA 2006)

Katharine Harmon, You Are Here: Personal Geographies and Other Maps of the Imagination, Princeton Architectural Press, 2003

David Harvey, Spaces of Capital: Towards a Critical Geography, Routledge, 2001

Emma Hedditch, "Locative Feminism," Mute, September 18, 2005

Drew Hemment (ed) Locative Media Special Issue, Leonardo Electronic Almanac, Volume 14, Issue 3

Drew Hemment, "The Locative Dystopia" (2004)

Jeremy Hight, "Narrative Archaeology," Xcp: Streetnotes: Summer 2003

Anthony Hoete, ROAM Reader On The Aesthetics of Mobility, Phaidon/ Black Dog Press, 2002

Jeffrey Kastner (ed), Land & Environmental Art (Themes & Movements), Phaidon, 2005

Lucy Lippard, The Lure of the Local: Senses of Place in a Multicentered Society, New Press, 1998

Miwon Kwon, One Place after Another: Site-Specific Art and Locational Identity, MIT Press, 2004

Tapio Mäkelä, "Ars Memorativa in the Interactive City: Private Layers, Sublime Technologies in Public Spaces, (ISEA 2006)

Lev Manovich, "The Poetics of Augmented Space: Learning from Prada," 2002 [pdf]

Malcolm McCullough, Digital Ground: Architecture, Pervasive Computing, and Environmental Knowing, MIT Press, 2004

Trevor Paglen, Blank Spots on the Map: The Dark Geography of the Pentagon's Secret World, Penguin, 2009

Paraskevopoulou, Charitos, Rizopoulos, "Location-specific art practices that challenge the traditional conception of mapping," Art Nodes Issue 8

David Pinder, Visions of the City: Utopianism, Power and Politics in Twentieth-Century Urbanism, Routledge, 2006

Simon Pope, "The Shape of Locative Media," Mute February 9, 2005

Irit Rogoff, Terra Infirma: Geography's Visual Culture, Routledge, 2000

Simon Sadler, The Situationist City, MIT Press, 1998

Alison Sant, "Redefining The Basemap," Intelligent Agent, Volume 6, Number 2

Simon Schama, Landscape and Memory, Vintage, 1976

Wolfgang Schivelbusch, The Railway Journey: The Industrialization and Perception of Time and Space, University of California Press, 1987

Rebecca Solnit, Wanderlust, Penguin, 2001

Erika Suderburg, Space, Site, Intervention: Situating Installation Art, University of Minnesota Press, 2000

Pall Thayer "On narrative, abstract and location: A few words on lacation-based data in art," 2004 [pdf]

Nato Thompson (ed), Experimental Geography: Radical Approaches to Landscape, Cartography, and Urbanism

Anthony Townsend, "Envisioning the ubiquitous city"

Anthony Townsend "Digitally Mediated Urban Space: New Lessons for Design" Praxis (2004) [pdf]

Marc Tuters (ed), "Acoustic Space: Trans Cultural Mapping," Riga: The Center for New Media Culture RICX, 2004

Marc Tuters and Kazys Varnelis, "Beyond Locative Media," Networked Publics blog

Urban Tapestries essay collection

Kazys Varnelis and Anne Friedber, Place: Networked Place, Networked Publics blog

Kazys Varnelis, The Infrastructural City: Networked Ecologies in Los Angeles, Actar, 2009

Denis Wood, The Power of Maps, Guilford Press, 1992

Labels: , ,



posted by André Lemos at 8:40 AM - Permalink - Postar um Comentário


wWednesday, March 04, 2009


Cyberculture Review

Resenhas de livros do Resource Center for Cyberculture Studies, RCCS, de março de 2009.

Decoding Liberation: The Promise of Free and Open Source Software
Authors: Samir Chopra and Scott Dexter
Publisher: Routledge, 2007
Review 1: Brian W. Carver
Review 2: Andrew Famiglietti
Authors' Response: Samir Chopra and Scott Dexter

Interactive Realism: The Poetics of Cyberspace
Author: Daniel Downes
Publisher: McGill-Queens University Press, 2005
Review 1: Yara Mitsuishi
Author Response: Daniel Downes

Vale a pena acompanhar o RCCS via twitter.

Labels: , ,



posted by André Lemos at 5:29 AM - Permalink - Postar um Comentário


wMonday, January 12, 2009


BLOGS.COM

Esse post é o prefácio do livro "Blogs.com. Estudos sobre blogs e comunicação" (SP, Momento editorial, 2009), organizado por Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Montardo. O livro será lançado em versão eletrônica e "Creative Commons", no dia 22/01 às 14h na área Campusblog do Campus Party em São Paulo. O livro, que tem esse prefácio e posfácio de Henrique Antoun (UFRJ), conta com artigos dos seguintes autores: Adriana Braga , Claudio Penteado, Fernando Firmino da Silva, Helaine Abreu Rosa, Jan Schmidt, Juliana Escobar, Leonardo Foletto, Marcelo dos Santos, Marcelo Träsel, Maria Clara Aquino, Octávio Islas, Rafael Araújo, Rogério Christofoletti e Rosa Meire Oliveira. O livro estará disponível no site www.sobreblogs.com.br.

Aproveito para agradecer mais uma vez o convite para escrever essas linhas.
Escrevi o prefácio em abril de 2008 em Montreal.



Nada melhor para escrever um prefácio sobre o livro "BLOGS.COM: estudos sobre blogs e comunicação", organizado por Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Montardo do que pegar como inspiração textos de um... blog. E, mais ainda, colocá-lo em forma de um post em um blog. Propus às autoras publicar esse prefácio como um post do meu Carnet de Notes, retomando e ampliando algumas informações e reflexões feitas aqui sobre esse tema. Com espírito de abertura, coragem e ousadia, elas toparam. Esse prefácio é assim o que indica a palavra em sua etimologia: "prae - fatia" ("falado antes"), ou "prae - factum" ("feito antes") já que está publicado aqui no Carnet antes mesmo do livro estar em formato papel e disponível nas livrarias. É um prefácio que não está, ainda, acoplado à materialidade do livro, servindo, no entanto, como uma fala anterior que pretende explicar o fenômeno dos blogs e a importância do livro, indicando por quê os leitores devem lê-lo. Agradeço assim às organizadoras por permitir que esse prefácio de um livro sobre blogs esteja, antes de tudo, em um blog!

A experiência

Quando comecei o Carnet de Notes quase não haviam blogs acadêmicos no Brasil, e muito menos na área de comunicação. Muitos colegas me desestimularam, dizendo que eu não iria atualizá-lo, que era uma moda passageira, que ninguém leria e que logo eu perderia o interesse. Erraram feio. Para mim o blog se tornou algo quotidiano, a meio caminho entre um caderno de notas pessoal e um arquivo profissional. Comecei os primeiros posts em março de 2001 e os mantenho quase que diariamente. Penso no blog durante o meu dia a dia e ele se tornou um espaço para lançar idéias, fornecer informações servindo como um observatório sobre minha pesquisa atual e como catálogo de meus projetos, livros, artigos e ensaios. Adiciono citações do dia no Jaiku, mensagens rápidas no Twitter, fotos do Flickr, vídeos do YouTube, informes sobre minha localização em tempo real com Loki e Plazes... Considero esse Carnet de Notes parte da minha produção acadêmica como pesquisador e professor universitário. De fato, ele é um espaço de expressão e de contato com outros, um prazer concretizado e compartilhado em palavras, imagens e informações. Ele é a minha casa no ciberespaço, um texto aberto, indefinidamente incompleto, a ser escrito a cada dia.

E não estou só. Os blogs são, junto com os games, os chats e os software sociais, um dos fenômenos mais populares da cibercultura. Eles constituem hoje uma realidade em muitas áreas, criando sinergias e reconfigurações na indústria cultural, na política, no entretenimento, nas redes de sociabilidade, nas artes. Os blogs são criados para os mais diversos fins, refletindo um desejo reprimido pela cultura de massa: o de ser ator na emissão, na produção de conteúdo e na partilha de experiências. E embora o Carnet não seja um blog sobre blogs, grande parte das minhas fontes de informação são blogs, e muito da minha reflexão gira em torno deles.

A cultura de massa criou o "consumo para todos". A nova cultura "pós-massiva", cria, para o desespero dos intermediários, daqueles que detêm o poder de controle e de todos os que usam o corporativismo para barrar a criatividade que vem de fora, uma "isegonia", igualdade de palavra para todos. Os blogs refletem a liberação do pólo da emissão característico da cibercultura. Agora todos podem (com mínimos recursos) produzir e circular informação sem pedir autorização ou o aval a quem quer que seja (barões das indústrias culturais, intelligentsia, governos...). O fenômeno dos blogs ilustra bem essa cultura pós-massiva que tem na liberação do pólo da emissão, na conexão telemática e na reconfiguração da indústria cultural seus pilares fundamentais (ver meus últimos artigos).

Post It...

O fenômeno comemorou sua primeira década no final de 2007. O termo blog vem de "weblog", contração de "web" e "log", criado por John Barger com o seu pioneiro "Robot Wisdon" em 17 de dezembro de 1997. Em matéria da Wired de dezembro de 2007 Barger dá 10 dicas para novos blogueiros. Acho algumas dicas inúteis, mas replico aqui algumas pela importância histórica do personagem. Para Barger, o melhor período dos blogs (como sempre o melhor é o que passou!) foi em 1998-1999. Imaginem, logo quando ninguém usava, escrevia ou sabia o que isso significava ou significaria. Aí vão algumas dicas

"- A true weblog is a log of all the URLs you want to save or share. (So del.icio.us is actually better for blogging than blogger.com.)

- You can certainly include links to your original thoughts, posted elsewhere / but if you have more original posts than links, you probably need to learn some humility.

- If you spend a little time searching before you post, you can probably find your idea well articulated elsewhere already.

- Always include some adjective describing your own reaction to the linked page (great, useful, imaginative, clever, etc.)

- Credit the source that led you to it, so your readers have the option of "moving upstream."

- Re-post your favorite links from time to time, for people who missed them the first time."

O post do Écrans de dezembro de 2007, festejando este aniversário, pergunta a alguns blogueiros como eles definem os blogs. Vejam algumas pérolas respondendo a pergunta, "o que é um blog?":

"- Une feuille blanche. Quotidienne. Addictive., Nicolas Voisin, du blog Politic Show

- Un blog, c'est comme un très très gros mégaphone, pour dire n'importe quoi, mais à plein de gens d'un coup. Pénélope Jolicoeur, du blog Pénélope Jolicoeur

- Un blog est un lieu où le personnel va chercher l'universel. Concrètement, on fait semblant de parler de soi pour mieux toucher les autres. Maïa Mazaurette, du blog Sexactu

- Une façon de trier et développer quelques idées, de les partager et de les enrichir au contact d'amis fidèles mais qu'on n'a pourtant jamais rencontré. Eric Viennot, du blog Y'a pas que les jeux vidéo dans la vie !

- La mise en application concrète et heureuse de la sérendipité : on y trouve des choses ou des gens passionnants, qui vous bousculent, de manière imprévue, en cherchant autre chose, voire en ne cherchant rien du tout. Nicolas Vanbremeersch, du blog Versac

- Personnellement c'est ma mémoire, mes marques pages, mes archives personnelles (qui deviennent donc publiques)... Etienne Mineur, du blog Etienne_mineur

Para mostrar que esse não é um fenômeno menor, forneço alguns dados para compreender a sua amplitude. Em dezembro de 2007, Technorati contava 112 milhões de blogs. A cada dia são criados mais de 175 mil novos e produzidos 1,6 milhões de posts (cerca de 18 por segundo). Últimos dados do "State of the Blogsphere" de 2006 indicavam que o número de blogs dobra a cada 5,5 meses e que um blog é criado a cada segundo, todo dia. Em relação ao Brasil, estima-se que há entre 3 a 6 milhões de blogueiros/blogs e 9 milhões de usuários (as estatísticas variam muito em fontes como Ibobe/NetRatings, Intel entre outras), o que corresponde a quase metade dos internautas ativos no país. Nos EUA, por exemplo, 64 % dos adolescentes participam de alguma forma da criação de conteúdo on-line. Os blogs são mantidos por 28% deles. 39% disponibilizam e compartilham suas próprias criações artísticas on-line (fotos, vídeos, textos, etc.). Os dados são de um estudo de 2006 realizado pelo Pew Internet & American Life Project. Matéria do Estadão On-Line aposta que em 2012, 25% do conteúdo da internet será criado pelos próprios usuários. Essa é uma das diferenças entre as mídias de função massiva e as mídias de função pós-massiva. Segundo a pesquisa, "...as pessoas terão um desejo genuíno não só de criar e compartilhar seu próprio conteúdo, como também de fazer remixagens e mashups, e passá-los adiante em seus grupos - numa forma de mídia social colaborativa (...)". Artigo do francês Telerama de fevereiro de 2008 informava que os blogs passaram o jornal "The New York Times" como fonte para busca das informações mais importantes da atualidade. Segundo o Telerama:

"Sur quatre des cinq sujets retenus par les journalistes de l'Associated Press - exceptée la crise des subprimes -, les blogs sont remontés plus hauts que le New York Times dans la page de résultat. Un bémol cependant: la position dans le classement Google varie selon le nombre de liens qui pointent vers votre page. On a donc bien mesuré... la popularité des blogs eux-mêmes! Vont-ils pour autant supplanter les sites de presse traditionnels? Rien n'est encore joué"

A Web 2.0 (blogs, micro-blogs, podcasts, YouTube, Google Maps, wiki...) permite ainda agregar mapas, fotos, vídeos e mobilidade aos blogs. Há sistemas que permitem enviar vídeo ao vivo do celular para um blog, como por exemplo Flixwagon ou QIK. Novos sistemas, como Seero, possibilitam o envio de vídeo e áudio, ao vivo, com localização por GPS em mapas digitais, direto do celular. Essas novas experiências revelam a ancoragem nos "espaços de lugar", criando a possibilidade de testemunho de acontecimentos, importantes ou banais, ao vivo, de troca de informações para reforço comunitário e para a gestão do tempo e do espaço no quotidiano. Post do Digital Urban de abril de 2008 explica o sistema:

"(...) Seero breaks new ground by being the first platform to allow its users to broadcast live and on-location through Google Earth. Viewers can load Seero's global KML feed in GEarth and see the GPS positioning of each broadcaster along with their live video feed. Justin Cutillo, Seero's CEO, describes the new feature: "the end goal is to utilize Google Earth and Seero's broadcasting platform to create an accurate and dynamic representation of what's happening in the world and where it's taking place. It really is one of the moments that you have to take a look at the demo, sit back and then think how amazing is the ability to stream your location, video and sound live to a blog, Google Map or Google Earth. (...)"

Política e Ativismo

Questões de censura, política e ativismo estão diretamente relacionadas aos blogs. Muitos países reprimem blogueiros e censuram blogs, revelando que a liberação da emissão tem uma forte conexão política. Dar voz à todos (liberação da emissão), permitir o compartilhamento e a troca de informações (conexão) são poderosas ferramentas políticas de transformação da vida social (reconfiguração). Vou citar alguns exemplos. Post do Global Voices Online de janeiro de 2008 trazia em destaque a brutal condenação de jornalista à morte por circular um texto encontrado em blog iraniano sobre direito das mulheres e religião:

"The Afghan Association Blog Writers (Afghan Penlog), a community established by a group of Afghan activist bloggers, has expressed deep concern for a young journalist Sayed Parwiz Kambakhsh who was condemned to death by a local court. He has been a reporter for Jahan-e Naw (New World) weekly and a student of journalism at Balkh University. According to Afghan Penlog and international media, Parwez Kambakhsh was detained by the authorities on October 27, 2007 for downloading and distributing an article that he found on an Iranian weblog to friends. It spoke of women's rights Equal-Pay-No-Way, the Quran and the Prophet Mohammed. A local court in northern Afghanistan in Mazar-e Sharif has convicted him to death for the alleged blasphemy."

Ainda no Global Voices, post de março de 2008 chamava a atenção sobre a intensa atividade da blogosfera na crise do Tibet:

"Just looking for any word from bloggers in the Lhasa area on what the situation is there as of Friday local time; The unrest coincides with the 49th anniversary of the Tibetan people's unsuccessful uprising against the PRC occupation of the former theocracy, and comes the day after what was being called the worldwide Tibetan people's uprising was stopped at the Indian border. Updates will be added here as further blog posts are found. The Time China blog brings us one European tourist's writing, photos and video from Lhasa earlier this week."

Matéria da Folha Online de novembro de 2007 informava sobre ação de blogueiros contra a tortura no Egito, organizando um festival de filmes sobre o tema:

"Os blogueiros egípcios, muito ativos no combate às violações dos direitos humanos em seu país, querem realizar na internet um festival de vídeo de torturas. O concurso seria realizado em paralelo ao 31o Festival de cinema do Cairo, informou a imprensa da capital egípcia nesta terça-feira. Entre os prêmios da competição estão Chicote de Ouro. Idealizado por um blogueiro chamado Walid, este projeto de festival paralelo exibirá imagens polêmicas de tortura que teriam sido cometidas pelos serviços de segurança', explicou o jornal egípcio de língua inglesa 'The Egyptian Mail'. Os blogueiros egípcios revelaram muitos casos de supostas torturas cometidas por policiais, entre os quais atos de sodomia praticados contra um prisioneiro com um bastão. A cena, filmada com um telefone celular, foi amplamente divulgada na internet, gerando críticas entre os defensores dos direitos humanos e levando à prisão dois policiais. (...)"

O telefone celular tem sido um instrumento potente na mão dos blogueiros. Por exemplo, SMS e blogs são usados para coordenar protestos no Paquistão, criando formas autônomas e rápidas de organizar manifestações políticas. Vejam trechos do post do Mobile Active de novembro de 2007:

"Bloggers, activists and organizers in Pakistan are using SMS - short test messages - to coordinate protests and send updates on the political situation since Pakistani President Pervez Musharraf imposed martial law on November 3. Only 12% of Pakistanis have access to the internet (...) Bloggers in Pakistan report that November 3 had the 'highest number' of SMS messages sent -- an average of about 10 per mobile phone.(...) The Aurat Foundation, a women's rights organization in Islamabad, has organized an SMS center to organize protests and send political updates. Members of the network 'decided to circulate their message of protest through text messages and work towards the restoration of human rights, the judicial system and the removal of the media blackout amongst other issues.'(...) 'Recently with help from a number of brilliant technologists around the globe we have enabled LIVE SMS-2-BLOG services allowing citizen reporters in Pakistan to directly update this blog by sending this blog, readers shall now be given live updates from the field as it happens.' "

O novo fenômeno dos "micro-blogs", como Jaiku e Twitter, permite um contato mais direto com pessoas de interesses similares. Um post do Rue 89 de novembro de 2007 analisava os micro-blogs, as redes sociais e as tecnologias móveis como novas formas de comunicação que poderão, em um futuro próximo, desbancar o e-mail...ao menos para a geração mais jovem. Isso mostra como o e-mail está associado a formas de comunicação "sedentárias", e como os micro-blogs e SMS ganham terreno por serem mais rápidos, telegráficos, permitindo o envio em mobilidade. Vejam trechos da matéria do Rue 89:

" (...)Je me suis cependant résolu à l'idée que le succès de tous ces autres outils vient du fait que l'e-mail n'est pas parfait. Les messages instantanés, les SMS, les blogs et les micro-blogs, les profils sur les sites de réseaux sociaux compensent les défauts de l'e-mail. (...) Bien plus que l'e-mail, tous ces moyens de communication instantanée reproduisent les interactions habituelles des enfants dans la rue ou dans leurs chambres. L'e-mail, en comparaison, peut sembler guindé et laborieux. Ecrire demande de la méthode et du temps, l'e-mail est plus proche de la lettre que de la conversation. Même son temps de diffusion, à peine quelques secondes, est considéré comme terriblement lent.(..).

O uso dos blogs é tão intenso que outro post do Rue 89 de abril de 2008 - que apareceu agora, no momento em que estou escrevendo esse prefácio - aponta para a angústia do blogueiro diante da tela branca, do estresse que a atividade quotidiana cria (mais uma!). Vejam abaixo alguns depoimentos:

"- Je me sens, par exemple, obligée d'alimenter le blog même quand je n'ai pas vraiment le temps (ou des idées de billets). Sinon, les emails commencent à arriver de lecteurs me demandant si tout va bien.

- Parfois, j'écris un texte tard le soir, en rentrant d'un dîner qui s'est prolongé. Je me défoule, je balance tout ce que j'ai accumulé dans la journée. C'est une catharsis. Le lendemain matin, je me précipite avec angoisse devant mon écran et je découvre avec consternation ce que j'ai écrit la veille."

- Ma seule souffrance est de ne pas rédiger assez et de me sentir coupable quand je vois les assez nombreuses connections de gens qui viennent vérifier si j'ai du nouveau alors que je n'ai rien fait."

Blogosfera? Leiam o livro!

Os exemplos são inúmeros e aparecem a cada dia. A blogosfera não pára de crescer e me sinto orgulhoso de participar dela, lá se vão 7 anos. Como compreender esse fenômeno socio-comunicacional de impacto planetário? Os blogs se transformam não só em um objeto fundamental de pesquisa para as ciências sociais, mas também em um poderoso instrumento pedagógico. Vários acadêmicos, e me incluo aqui, usam os blogs para lançar idéias e colher comentários; para criar ambiente de discussão que amplia a sala de aula e permite aos alunos trocar idéias, adicionar comentários; como memória de pesquisa; como obra de arte...Os usos e os tipos são inúmeros e crescem a cada dia.

Não é, como me diziam alguns há sete anos atrás, um fenômeno menor, passageiro, mas sim de um verdadeiro sintoma da cibercultura e do desejo de conexão e comunicação permanente. Isso não significa fim de conflitos e problemas. Como mediar o debate sem centralizar o poder? como criar mecanismos de confiabilidade nas informações e nos comentários sem implementar regimes corporativos esclerosados? como criar qualidade e tirar o joio do trigo nessa polifonia planetária? Não há respostas simples para estas questões.

O jogo está aberto. O desafio é achar uma saída criativa que evite o pensamento binário e simplório que por um lado insiste entre a "mediação" clássica (dos pares, dos editores, dos sábios) e, por outro, no populismo pobre que dá voz a todos sem hierarquias de valores. A riqueza da cibercultura está na criação de ferramentas que potencializam a pluralidade e a democratização da emissão. Mas tudo é virtual e só o debate (político) poderá atualizar essa dádiva. O atual estado de tensão e complementaridade entre os sistemas massivos e pós-massivos deve amadurecer.

A vida social tira proveito dessa tensão. As pessoas convivem com esse duplo sistema sem muita dificuldade: elas vêem TV e acessam a internet, baixam podcasts e ouvem rádios, lêem críticas dos experts em veículos massivos e acessam blogs de "pessoas comuns" ao redor do globo. A reconfiguração da cibercultura criou um ambiente mais rico já que hoje, como usuários, temos mais opções de escolha de informação e, pela primeira vez, podemos publicar e distribuir, de forma planetária, conteúdo em forma de áudio, texto, foto, vídeo. E, com os novos dispositivos sem fio, em mobilidade.

O fenômeno dos blogs merece ser estudado, debatido e visualizado em todas as suas facetas. O livro que está em suas mãos tem o mérito de abordar esse fenômeno por todos os ângulos, com rigor e competência. Os artigos tratam de temas fundamentais para a compreensão da blogosfera e é uma contribuição importante para as ciências sociais e a para comunicação em particular. O livro é útil tanto para acadêmicos como para o público em geral. As organizadoras Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Montardo, estudiosas do fenômeno e blogueiras de primeira linha, companheiras de debates em congressos e, claro, em blogs e micro-blogs, dividem o livro em duas sessões que guiam o leitor para o que interessa: uma perspectiva epistemológica, tentando situar os blogs como objeto de pesquisa científica ("sessão 1 - definições, tipologias e metodologias"), e uma outra socio-antropológica, dando ênfase aos usos e apropriações da ferramenta ("sessão 2 - uso e apropriações"). No seu conjunto, o livro trata de questões conceituais, históricas, políticas, sociológicas, jornalísticas, subjetivas, educacionais, dando um quadro bastante completo do fenômeno, já nascendo como uma referência para professores, pesquisadores e alunos de comunicação e das ciências sociais como um todo.

Gostaria de ressaltar também o cuidado em recuperar não só uma bibliografia internacional (o que todos fazem), mas de prestar atenção e dar o merecido valor aos autores nacionais, aos papers apresentados em congressos e aos artigos e livros publicados no país por autores brasileiros. As organizadoras, e os respectivos autores, mostram que, às vezes, "santos de casa" fazem milagres sim!

Devemos louvar a iniciativa e congratular os (as) autores (as) pela excelente contribuição acadêmica para a análise desse fenômeno vivo que cresce diante dos nossos olhos. Cabe então ao leitor descobrir. Espero que o livro possa alimentar e criar mais blogs, que os leitores possam postar suas opiniões, críticas e sugestões para que possamos conhecer e circular os novos conhecimento gerado pelo livro.

Montreal, abril de 2008

André Lemos é PhD em Sociologia pela Paris V, Sorbonne (1995), Pós-Doutorado pela University of Alberta e McGill University, Canadá (2007-2008), Professor Associado da Faculdade de Comunicação da UFBa e Pesquisador 1 do CNPq. Autor de vários artigos e livros sobre cibercultura foi membro do júri do prêmio Best of Blogs, da Deutsche Welle, Bonn, Alemanha e é membro do conselho internacional do Prix Ars Electronica para Digital Communities e Board do "Wi. Journal of Mobile Media" e "Canadian Journal of Communication", Canadá. Blogueiro desde 2001, idéias, livros, artigos, projetos, podem ser vistos em http://andrelemos.info

Labels: , , , ,



posted by André Lemos at 11:04 AM - Permalink - Postar um Comentário


wMonday, October 27, 2008


Internet of Things and Atlas of Cyberspace.

Dois livros interessantes para download gratuitos.

Primeiro: Recebi essa semana do meu amigo Rob van Kranenburg uma cópia do seu livro "Internet of Things" (ainda não li). Rob é um ativista e especialista em RFID da isntituto Waag, em Amsterdã. Agora vejo no Networked_Performance uma release do livro. Abaixo algumas informações.



"(...) The Internet of Things is the second issue in the series of Network Notebooks. It?s a critique of ambient technology and the all-seeing network of RFID by Rob van Kranenburg. Rob examines what impact RFID and other systems, will have on our cities and our wider society. He currently works at Waag Society as program leader for the Public Domain and wrote earlier an article about this topic in the Waag magazine and is the co-founder of the DIFR Network. The notebook features an introduction by journalist and writer Sean Dodson.

(...) In Network Notebook #2, titled The Internet of Things, Rob van Kranenburg outlines his vision of the future. He tells of his early encounters with the kind of location-based technologies that will soon become commonplace, and what they may mean for us all. He explores the emergence of the ?internet of things?, tracing us through its origins in the mundane back-end world of the international supply chain to the domestic applications that already exist in an embryonic stage. He also explains how the adoption of he technologies of the City Control is not inevitable, nor something that we must kindly accept nor sleepwalk into. In van Kranenburg?s account of the creation of the international network of Bricolabs, he also suggests how each of us can help contribute to building technologies of trust and empower ourselves in the age of mass surveillance and ambient technologies.(...) This issue is free available in print and pdf form.

To receive a copy of The Internet of Things send an email to books (at) networkcultures.org.

The Network Notebooks series is edited by Geert Lovink and Sabine Niederer. Network Notebooks #2 is supported by Amsterdam University of Applied Sciences and Waag Society."

Segundo. A interessante cartografia do ciberespaço, The Atlas of Cyberspace, de Martin Dodge e Rob Kitchin. O livro explora os aspectos visuais do ciberespaço e de suas estruturas. Esse livro mapea o ciberespaço e pode ser um complemento interessante às novas formas de mapeamento dos espaços urbanos com o uso da web 2.0. O livro está disponível aqui.


Descrição:

"(...) It uses a user-friendly, approachable style to examine why cyberspace is being mapped and what new cartographic and visualisation techniques have been employed. Richly illustrated with over 300 full colour images, it comprehensively catalogues 30 years worth of maps that reveal the rich and varied landscapes of cyberspace.

The book includes chapters detailing:
- mapping Internet infrastructure and traffic flows
- mapping the Web
- mapping online conversation and community
- imagining cyberspace in art, literature, and film

Labels: , ,



posted by André Lemos at 6:55 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, August 07, 2008


Books

Para matar o tempo e o tédio, indico aqui as últimas leituras que fiz e que estou fazendo, em ficção. São dicas para esse inverno brasileiro, ou esse verão canadense, o que dá no mesmo (chove e agora faz 16 graus la fora).

Vamos lá:

Um dos meus escritores anglófonos favoritos, pouco conhecido no Brasil, é Russel Banks. Já li vários livros dele (muito bons os "Continental Drift" e "Rule of the Bone", meu preferido). Indico aqui o último que estou lendo "The Darling", Harper Collins, 2004, sobre uma mulher que retorna à África para viver com os seus gorilas, que ela chama dos "sonhadores".

Na mesma linha, mas agora francófonos, indico Paul Dubois (gosto muito da sua escrita e aconselho o "Une vie Francaise"). Li recentemente "Si ce livre pouvait me rapprocher de toi", Editions de l'Olivier, 1999, cuja história de passa aqui no Quebec (o narrador busca reconstruir a história do pai, e a sua prórpia, perto de Montreal) e devorei em dois dias.

William Gibson, Spook Country, Berkley, 2007, embora não goste muito de ficção científica, o livro não se parece muito com o gênero. Leio já que é o Gibson e já que ele trata das mídias locativas, objeto de minhas pesquisas atualmente. Não acabei ainda, mas estou gostando.

Por fim, aconselho os livros da edição "Les Alusifs", daqui do Quebec, respeitada na França e com boas resenhas em jornais como Le Monde ou Libé. Tem excelentes escritores, fora do eixo EUA-GB, dando vez ao leste europeu, Oriente Médio, Europa do Norte e América do Sul (Bolano do Chile, por exemplo). Estou lendo dois bem interessantes: "Une saison a Venice", (2006) cuja guerra faz brotar uma Veneza bem longe da Itália, da polonesa Wtodzimierz Odojewski e o "Newststart 2.0" (2003) do canadense de Vancouver, Timothy Taylor sobre um artista e um jornalista tentado compreender a trajetória do primeiro, em Roma.

Boas leituras!

Labels:



posted by André Lemos at 11:05 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, April 24, 2008


Hypermobility

Livro, "Nouvelles technologies du soi, mobilités et (co-)constructions identitaires", discute hipermobilidade, subjetividade e construções identitárias. Em post recente Yaz informa que Maffesoli escreverá também no livro. Ele deverá ser publicado no outono de 2009 (Via Neo-nomad.net .

Sinopsis:

"L'hypermobilité physique comme virtuelle qui touche les individus contemporains conduit à multiplier les récits et discours sur les rencontres avec les autres, mais aussi avec soi-même. Qu'ils soient issus de migrants, membres de diasporas, réfugiés, personnes en mobilité à court ou long-terme, résidents virtuels, internautes, etc., ces témoignages sont transmis à travers différents média et espaces personnels et publics: du simple coup de téléphone au site internet et à l'e-mail, ou à travers des autobiographies, des témoignages écrits et oraux, des articles de presse, des documentaires, etc. L?avènement de nouveaux espaces relationnels tels que ceux proposés par les Webs 2.0 et 3.0 (weblogs, podcasts, vidéocasts, Facebook, Second Life, Youtube?) offre la possibilité à la fois de faire partager ses expériences de mobilité au quotidien et de construire son soi face à/avec des millions d'interlocuteurs potentiels et ce, de manière multimodale. La présence de ces témoignages de mobilité, qui s'apparentent à des actes de confession, donne accès à des données intéressantes et inédites dans plusieurs langues et cela, de façon illimitée?

The new interpersonal spaces created by web 2.0 and 3.0 technologies seem to correspond to the technologies of the self that Michel Foucault (1988) has addressed in his lectures at the Collège de France at the beginning of the 1980s. These new technologies enable the individual's self to emerge publicly and to be worked upon with its 'disciples': be they companions in Second Life, readers (for example on a blog) or listeners (Podcasts). With high speed Internet access and increasingly generous capacities of storage (mp3, USB keys, iPhone, portable computers?), the opportunities for staging the self have become unlimited?

MEDIA TREATED: blogs, forum, Life Forms, MMS, moblogging, mondes virtuels, photo et vidéo, photos et vidéos mobiles, robots de compagnie, sites Internet, téléphones portables. Craigslist, digital artifacts, Del.ici.ous, World of Warcrafts, Facebook, Gaming, Geolocalisation, MMORPG, retail surveillance devices, SilkRoad online, Social Networking, YouTube, WWOOF, Second Life.

THEMES: Photographies en mobilité, espaces relationnels, hétérogénéité culturelle, industries culturelles, identités migratoires, identité hmong, diaspora, NOTICs (Nouveaux Objets issus des Technologies de l'Information et de la Communication), infoguerre, mouvement en danse, personnage virtuel, avatars, Autre imaginaire, voyage réel et virtuel | Attachment, backpacking, collection, collective identity, participatory culture, politics, rhythm, second self, tourism, tribalism, virtual nomadism. Attachment, backpacking, collection, collective identity, participatory culture, politics, rhythm, second self, tourism, tribalism, virtual nomadism."

Labels: , ,



posted by André Lemos at 6:46 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, March 20, 2008


Wilderness and McLuhan




Semana passada fui ao lançamento do livro "Beyond Wilderness, The Group of Seven, Canada Identity, and Contemporary Art" (McGill University Press, 2008), editado por John O'Brian e Peter White (com quem tive a oportunidade de jantar e conversar depois do lançamento). O belíssimo livro conta a trajetória do Grupo dos 7, que nas primeiras décadas do século XX, pintou as paisagens do Canadá criando tensões entre identidades, representação e dominação da natureza. O livro tem sete capítulos em torno de temas como "What's canadian in canadian landscape?, Context and Controversy, The Expression of a Difference, Wilderness Myths, Extensions of Technology...


Herbert Marshall McLuhan in his Library

O livro (presenteado por Will Straw) reproduz um artigo de McLuhan de 1967, "Technology and Environment" (publicado originalmente em "arscanada", n. 105, p. 5-6, February 1967), onde o autor retoma temas chaves do seu pensamento: a complexidade do ambiente midiático, a reconfiguração das mídias, a arte tecnológica.

Ele propõe nesse pequeno e instigante artigo que cada nova tecnologia (de comunicação, mas não só) toma por conteúdo as velhas formas e conteúdos das tecnologias anteriores. Aaqui vemos a conhecida máxima: "o meio é a mensagem". Ele mostra como a escrita retoma a cultura oral, a imprensa, os livros medievais, o meio industrial, o rural, a cultura POP o ambiente industrial e do consumo modernos. Segundo McLuhan: "(...) every new technology creates an environment that translates the old or preceding technology into an art form, or into something exceedingly noticiable..."(p. 47).

Para além da visão um tanto determinista (crítica corrente a McLuhuan) podemos ver hoje como as mídias digitais têm como conteúdo os formatos midiáticos anteriores, e como o que chamo de funções pós-massivas tentam ir além das funções massivas. No entanto, nossa visão do "ambiente" é sempre turva, impedindo de enxergar o que diferencia o velho do novo ambiente.

"When the electric technology jacketed the machine world, when circuitry took over the wheel, and the circuit went around the old factory, the machine became an art form. Abstract art, for example, is very much a result of the electric age going around the mechanical one". (p. 47)

Não é à toa que as metáforas que utilizamos para descrever (o que leva sempre a erros e incompreensões do atual ambiente midiático) estão ainda atreladas aos formatos e conteúdos das mídias de massa: tv - web-tv; jornais, jornalismo digital; filmes, web-film, celular filmes; fotografia, fotografia digital; radio, podcast; diários, blogs... Devemos compreender e aceitar a lei mcluhaniana que afirma que os conteúdos presentes nas mídias atuais vêm das mídias anteriores (vários autores mostram isso, como Bolter, Gruzin, Manovich...). Aqui a idéia de reconfiguração deve ser levada em conta. Mas devemos estar atentos para perceber as novidades e as diferenças, já que novas funções e práticas sociais emergem e não se encaixam mais nas formas clássicas de broadcasting e de cultura de massa. Tenho chamado essas funções de pós-massivas, fruto de princípios emergentes da cibercultura: a "liberação da emissão", a "conexão por diversas redes e sistemas" e a "reconfiguração das mídias, das práticas sociais e das industrias culturais". Essa funções, junto das funções massivas que não desaparecem, são a base do ambiente comunicacional contemporâneo.

Labels: , , , ,



posted by André Lemos at 12:33 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, January 17, 2008


Bite-Sized City

Um post interessante sobre micro-livros no Where nos ajuda a pensar sobre a "pressa inacabada", a leitura e a cidade. O site DailyLit, segundo o post, envia micro-livros (que podem ser lidos em 5 min) para os usuários, por e-mail ou RSS (podendo ser acessado de um lugar fixo ou em mobilidade com dispositivos móveis) no momento escolhido pelo leitor.



Há três questões aqui:

1. a idéia por traz do projeto é que recebemos muitos e-mails, lemos muitos e-mails mas não temos mais tempo para ler livros (veja a Dailylit FAQ).

2, recebendo por e-mail pequenos trechos de livros, na hora programada, o usuário pode lê-los como se fossem e-mails.

3. livro e mobilidade permitem leituras e observação diferenciadas do espaço urbano, assim como hoje o iPod e antes o "walkman", permite (ia) inserções diferenciadas no espaço e nos lugares.

Primeiro ponto: devemos necessariamente sair do e-mail e ler livros, inteiros, com tempo de absorção e fruição que não são os mesmos da leitura rápida dos meios eletrônicos. Devemos NECESSARIAMENTE ler, de preferência ficção para sair do regime do "trabalho", "da utilidade" e da "necessidade". Acho que esse movimento de desplugar e parar a aceleração do tempo não só é salutar e enriquecedor para o espírito, como também, é bom para a saúde física geral.

Segundo ponto: acho interessante sistemas que nos atingem com informação em plena mobilidade. Receber um telefonema inesperado no celular, um SMS com um Haicai, ou mesmo pedaços de livros nos ajudam a criar momentos "sagrados do quotidiano", pequenas hierofanias que nos suspendem do espaço e do tempo ordinário do dia a dia, criando uma outra vivência do espaço e do lugar. Assim, sair da rotina e receber, em mobilidade, um e-mail com algo ficcional (ou não), fora do "padrão", que nos leve a um movimento de leitura diferente daquele de um e-mail habitual parece ser bem interessante.

Terceiro Ponto. Essa é mais uma forma de leitura no espaço e do espaço pelas tecnologias digitais móveis. O livro sempre foi uma mídia analógica da mobilidade e o projeto DailyLit nada mais é do que uma atualização (encaixada ao ritmo da velocidade e do "todo mundo sem tempo" atuais) do suporte, trazendo aí novas formas de leitura, novas maneiras de percepção do espaço e de pertencimento a um lugar (como fluxo) ainda pouco exploradas e/ou estudadas. O mesmo acontece com outros dispositivos como hoje os MP3 players, cujo ícone maior é o iPod, ou os smartphones que são tudo ao mesmo tempo.

Alguns trechos e reflexões próximas de Brendan:

"(...) This format strikes me as a particularly interesting (and easy) way for a person to explore the urban environment. Imagine that you've just moved to a new neighborhood. You go to the neighbors' association's website and subscribe to a free daily mini-tour. Each Saturday at 1:00 pm, you receive a text message with a starting point. Once there, you open a temporary audio file on your Blakberry or iPhone or whatever wired mobile device you're carting around, and you're talked through a 15- to 20-minute exploration of another corner of your new surroundings. The tours could even be recorded by a variety of people who are active in the given neighborhood, and could seamlessly integrate opportunities for community involvement into what might otherwise be aimless walks by highlighting local events, organizations, and landmarks.

Now imagine that you're a tourist on a first-time trip to New York. Subscribe in advance to a feed like this and have bite-sized neighborhood tours sent to you every three hours. These tours could even be sequentially linked to start you off in each neighborhood, allowing for a few hours of independent exploration between tours. Heck, with the ubiquity of GPS technology, you could download a series of geo-coded tours in advance that would be triggered when you passed from one neighborhood to the next. As you walk north across Houston Street from SoHo to the Village, your phone rings. You answer, and a voice suggests that you walk three blocks east to Houston and Thompson to begin the Greenwich Village tour.

With this sort of technology, unfamiliar territory becomes a bit less intimidating. Recent transplants get out and meet more of their neighbors. Tourists get a boost in confidence that would likely encourage them to cover more ground and venture farther off the beaten path than if they were wandering about with nothing but a street map and a dated copy of Fodor's New York. Perhaps part of the reason that there are so many people in Times Square is that people can recognize where they are; they understand their position in the city. For the intrepid urban explorer this may seem superfluous, but any city hoping to increase tourism or revitalize a neighborhood is woe to underestimate the power of the sense of disorientation.

Making cities and neighborhoods more friendly, inviting places -- for visitors and locals alike -- is an important step in the struggle to improve urban conditions. People naturally avoid places where they feel uncomfortable. Encourage them to expand their understanding of their surroundings, and half the battle is won."

Labels: , ,



posted by André Lemos at 2:52 PM - Permalink - Postar um Comentário


w


The Future of Ideas



O livro, The Future of Ideas de Laurence Lessig está disponível para download após liberação dos editores sob o regime legal do Creative Commons. A equação leitor, editor, escritor, mercada é complexa mas o sonho é realmente o de termos as publicações, principalmente as acadêmicas, na sua maioria financiado com dinheiro público, livre, justamente, para o público.

Sobre o livro:

"In The Future of Ideas, Lawrence Lessig explains how the Internet revolution has produced a counterrevolution of devastating power and effect. The explosion of innovation we have seen in the environment of the Internet was not conjured from some new, previously unimagined technological magic; instead, it came from an ideal as old as the nation. Creativity flourished there because the Internet protected an innovation commons. The Internet's very design built a neutral platform upon which the widest range of creators could experiment. The legal architecture surrounding it protected this free space so that culture and information - the ideas of our era - could flow freely and inspire an unprecedented breadth of expression. But this structural design is changing - both legally and technically.

This shift will destroy the opportunities for creativity and innovation that the Internet originally engendered. The cultural dinosaurs of our recent past are moving to quickly remake cyberspace so that they can better protect their interests against the future. Powerful conglomerates are swiftly using both law and technology to 'tame' the Internet, transforming it from an open forum for ideas into nothing more than cable television on speed. Innovation, once again, will be directed from the top down, increasingly controlled by owners of the networks, holders of the largest patent portfolios, and, most invidiously, hoarders of copyrights.

The choice Lawrence Lessig presents is not between progress and the status quo. It is between progress and a new Dark Ages, in which our capacity to create is confined by an architecture of control and a society more perfectly monitored and filtered than any before in history. Important avenues of thought and free expression will increasingly be closed off. The door to a future of ideas is being shut just as technology makes an extraordinary future possible.

With an uncanny blend of knowledge, insight, and eloquence, Lawrence Lessig has written a profoundly important guide to the care and feeding of innovation in a connected world. Whether it proves to be a road map or an elegy is up to us"

Labels: , ,



posted by André Lemos at 1:33 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, January 10, 2008


New Tech, New Ties

Novo livro do Rich Ling, que encontrarei em um evento em Montréal em março, discute os efeitos sociais da comunicação móvel, centrada principalmente nas micro-relações sociais (via Smart Mobs).

"In New Tech, New Ties, Rich Ling examines how the mobile telephone affects both kinds of interactions - those mediated by mobile communication and those that are face to face. Ling finds that through the use of various social rituals the mobile telephone strengthens social ties within the circle of friends and family - sometimes at the expense of interaction with those who are physically present?and creates what he calls 'bounded solidarity.'

Ling argues that mobile communication helps to engender and develop social cohesion within the family and the peer group. Drawing on the work of Emile Durkheim, Erving Goffman, and Randall Collins, Ling shows that ritual interaction is a catalyst for the development of social bonding. From this perspective, he examines how mobile communication affects face-to-face ritual situations and how ritual is used in interaction mediated by mobile communication. He looks at the evidence, including interviews and observations from around the world, that documents the effect of mobile communication on social bonding and also examines some of the other possibly problematic issues raised by tighter social cohesion in small groups.(...)"

Labels: , ,



posted by André Lemos at 1:39 PM - Permalink - Postar um Comentário


wSaturday, December 22, 2007


Mobilidade, Identidade, Subjetividade

Post do Networked_Performance informa sobre o call for papers para o livro "Mobilities and (Co-)Construction of Identity", editado por Fred Dervin e Yasmine Abbas:



"(...) Call for Abstracts :: Authors of accepted proposals will be notified by March 15, 2008. Full chapters will be expected to be submitted by September 1, 2008.

The new interpersonal spaces created by web 2.0 and 3.0 technologies seem to correspond to the technologies of the self that Michel Foucault (1988) has addressed in his lectures at the Collège de France at the beginning of the 1980s. These new technologies enable the individual?s self to emerge publicly and to be worked upon with its ?disciples?: be they companions in Second Life, readers (for example on a blog) or listeners (Podcasts). With high speed Internet access and increasingly generous capacities of storage (mp3, USB keys, iPhone, portable computers?), the opportunities for staging the self have become unlimited (...)"

Labels: , ,



posted by André Lemos at 11:57 AM - Permalink - Postar um Comentário


wMonday, November 19, 2007


Kindle

Amazon lança um "ipod" para livros, Kindle podendo o usuário fazer download direto (em um minuto segundo a empresa), inclusive de blogs e jornais. Mais um dispositivo para mobilidade que pode ter sucesso para jornais e blogs, mas nao acredito muito que pegue para os livros...Mas pode ser apenas meu apego ao objeto ;-))

Vejam post do varnelis.net | network culture:



"Amazon released its oddly-named (Farenheit 451?) Kindle book reader today. On initial view, the device is ungainly when compared to the iPhone or the Sony PRS-505. But with some 90,000 books on offer for the relatively low price of $9.99, the Kindle is a shot across the bow for book publishers. I confess to a certain hatred of books (my publishers wouldn't want to hear this, I'm sure). About 30% of the books that I bring home are elegant objects that I am glad to own. But some 70% are pointless to own in physical form. Why do I need a work of fiction as a book if an e-reading device can serve me as well? Why do I need to own a copy of a textbook when I could get it on an e-reader? This idea attracts me greatly. Alas, web browsing seems rudimentary while magazines, newspapers, and even blogs demand a subscription fee. This is a big step back from the world of free content that my iPhone offers. My prediction is that although Kindle will have some degree of success, it will take someone like Apple licensing the content (why does Amazon need to produce hardware anyway? seems like a questionable move) before this technology will really take off."

Labels: , ,



posted by André Lemos at 9:01 PM - Permalink - Postar um Comentário


wTuesday, October 30, 2007


Biblioteca, Pesquisa, Territorio e Mobilidade*

*desculpem, sem acentos

Biblioteca

Ainda sem computador, comeco a trabalhar efetivamente, e mais metodicamente, na pesquisa. A Universidade de Alberta tem uma excelente biblioteca e me oferece todas as condicoes de pesquisa. So para vcs terem uma ideia, em minutos fiz pela rede pesquisa em bases de dados online, tanto de material online como dos livros disponiveis nas prateleiras, de casa. Reservei tudo pela rede e comecei a pega-los nas diversas bibliotecas do Campus. A coisa funciona assim: Depois de uma reserva pela internet os livros ficam com uma etiqueta com meu nome em uma prateleira. Passo la, pego o livro, coloco-o em um sistema automatico de emprestimo, passo meu cartao ("One Card", que serve para toda a universidade e pode ser ate cartao de pagamento) e estou liberado. Quantos posso pegar? quantos quiser. Quando a biblioteca fica aberta? Todos os dias (so fecha no natal). Quanto tempo posso ficar com eles? Quanto tempo eu quiser. Tenho um tempo meu (acho que um mes) mas posso ficar quanto tempo quiser. Se alguem solicita o livro, eu recebo um email pedindo a devolucao. Uma fantastica estrutura. Achei tudo o que procurei e estou com mais de 20 livros me esperando.

Para comecar estou trabalhando com os seguintes livros:

"View from Nowhere", de Thomas Nagel, filosofia, sobre a nossa condicao no mundo, nossa posicao diante das coisas e os limites e tensoes entre a objetividade (que identifica assim o real) e a subjetividade, que nao pode ser destacada da forma objetiva de ver o mundo. Acabei de ler "Mobilie Technologies of the City", de John Urry e Mimi Sheller, uma organizacao com varios artigos interessantes sobre locative games, mobilidade, vigilancia, wi-fi...Estou com o vol 1, n. 1 da revista "Mobilities" (Routledge) com artigos que tratam da mobilidade social, neomomadismo, locative games, entre outras formas de mobilidade. Comecei o classico "Social and Cultural Mobility" de Sorokin e estou formulando melhor a nocao de territorio com a ajuda do basico, mas muito interessante, "Territory, a short introduction", de David Delaney. Os outros livros estao na minha sala no Space and Culture na UA. Ao mesmo tempo estou escrevendo, e o plano e' sair com um livro sobre o assunto daqui. Bom e para variar e nao perder o habito, leio o ultimo romance do britanico Graham Swift, "Tomorrow".

Pesquisa, Territorio, Mobilidade

Minha pesquisa e' sobre a questao da mobilidade, dos territorios informacionais e das midias locativas em interface com processos sociais e comunicacionais, como voces podem ver nos meus ultimos artigos. Celular, bluetoth, RFID, redes Wi-Fi, GPS, wireless games, etc., estao no meu cardapio. Como essas tecnologias redefinem a mobilidade, os territorios, as cidades, a comunicacao. Foi sugerido em uma dessas leituras, inclusive, um novo campo, "urban new media studies", "cybermobilities".... Acho que estou por aqui, ao menos agora.

Comecei tambem a fazer ensaios fotograficos sobre as fronteiras dos territorios que encontramos no dia a dia em Edmonton. Todos os tipos, as senhas de acesso, as formas de vigilancia e controle. O objetivo e', em primeiro lugar, me ajudar a ilustrar as minhas ideias e, em segundo lugar, me ajudar a conhecer tambem a cidade (ainda estou sem computador e em breve coloco as fotos por aqui).

Na realidade os territorios sao zonas de controle de fronteiras por onde a mobilidade e os fluxos se exercem (em diferentes velociades, formas de acesso, poderes e amplitude), e a forma de controle dessa mobilidade e dos fluxos pelos territorios e' o que podemos chamar de vigilancia, moniotoramento, controle: Codigos de acesso em portas, tickets eletronicos do metro, senhas para internet, etc, sao barreiras de acesso a territorios especificos, tanto em territorios fisicos, como eletronicos (automatizados, feitos por softwares que "escrevem a cidade", sem intervencao humana, projetivo, etc). E isso sem falar em territorialidades simbolicas como a cultura, a politica, a religiao, a lingua...Assim, pensar territorio e' pensar mobilidade e fluxo, e e' pensar tambem formas de controle e vigilancia. Tudo esta' diretamente interligado (aqui a teoria de Latour, Serres, Callon, a saber a de "redes de atores", pode nos ajudar).

Assim, pensar a mobilidade e os fluxos deve levar em conta hoje nao apenas as territorialidades fisicas, mas as novas formas de territorialidade eletronica potencializadas pelas tecnologias e dispositivos de comunicacao, comecando pelos mass media, chegando hoje a uma radicalidade maior com o que chamei de midas pos-massivas criando novas mobilidade e "territorios informacionais". Vejam meu ultimos artigos para mais detalhes.

Edmonton e Mobilidade

Tem sido interessante tambem pensar mobilidade, territorio informacional e controle de fronteiras em meio a minha nova situacao: Edmonton e' ampla, plana, como uma baixa densidade populacional, fria, cheia de centros comerciais onde o que poderiamos chamar de espaco publico, ou semi-publico, se configura. Tirando o centro da cidade, so ha mesmo pessoas nos centros comerciais. A paisagem (landscape) aqui 'e formada pelas muitas casas, alguns predios no downtown, ruas e avenidas tento o horizonte marcado por um ceu azul brilhante, e automoveis que passam, param e seguem. Edmonton e' uma cidade onde o automovel cria, inscreve e desfaz os lugares. Pensar territorio, movimento e lugar aqui so faz sentido se pensar como o carro se configura como a forma de inscricao e de apropriacao da cidade. E' com o carro que os edmontonians leem e inscrevem a cidade. O carro e' o software de inscricao da cidade por aqui.

Ha' transportes publicos e poucos taxis. Os onibus sao uma opcao. A cidade e' bem servida, funciona, e eles sao rigorosamente pontuais, mas parece que todos optam mesmo pelo carro, e nao sao simples carros, mas "big trucks". Essa e' a forma mais explicita de mobilidade por aqui. Ao menos aos meus olhos ainda estrangeiros e distantes. Praticamente nao ha metro, apenas uma unica linha que nao cobre bem a cidade. Dei sorte ja que tenho um ponto de onibus na porta de casa e ele me leva a uma estacao de metro e desta chego a Universidade. Levo, ao todo, 35 minutos. De carro levaria 10min. Ja vemos aqui formas (poderes) e mobilidades diferentes.

Vejamos o meu caso: Estou pensando a mobilidade (meu objeto de pesquisa) estando em varios sentidos, imovel, ou com pouca mobilidade, embora exercendo a desterritorializacao, o fluxo e o movimento maior, por excelencia, o pensamento (Deleuze). Bom, tenho diversas limitacoes de movimento. Estou limitado nos meus movimentos do meu corpo por nao ter um carro (ir ao supermercado e' uma aventura), estou limitados tambem por nao conhecer ainda os codigos culturais, estou limitado na minha habilidade discursiva ja que nao estou completamente movel na lingua, estou limitado na minha condicao de estrangeiro, estou tambem sem celular e sem o meu laptop, tendo assim, pouca mobilidade informacional (a nao ser quando estou imovel em casa, conectado, com um laptop emprestado e com o telefone fixo). Pretendo, no entanto, criar condicoes para me locomover melhor em todos esses dominios em um muitissimo curto prazo. ;-))

No entanto, algo parace interessante e tem me ajudado a compreender todas as dimensoes dos problemas:

Seria possivel pensar a mobilidade, em plena mobilidade?

Nao seria a imobilidade, ou um limite da mobilidade plena, uma condicao fundamental para pensar o seu oposto.

Pode ser que nao, mas estou tirando proveito dessa situacao. ;-)

Mais informacoes, fotos e textos estarao aqui quando estiver mais movel, podendo me locomover com mais facilidade por todos os territorios, principalmente os informacionais.

Labels: , , , , ,



posted by André Lemos at 11:28 PM - Permalink - Postar um Comentário


wThursday, September 27, 2007


Livros Móveis?

Embora o título seja risível (há algum livro que não seja móvel?), a matéria do Jornalistas da Web refere-se a obras literárias que são veiculadas tendo como suporte os telefones celulares. Os "keitai novels", como são chamados, abre possibilidades para novas formas de escrita, específica para esse meio. Já há diversos projetos para escrita de romances e poemas em poucos caracteres, e sendo distribídos via SMS. Não é uma novidade essa transposição, mas segundo a matéria parece ser um novo fenômeno popular. Trata-se, assim como para a fotografia, os filmes e os programas de TV, de uma tentativa de encontrar formatos estéticos para esse novos "Dispositivo Híbrido Móvel de Conexão Multirrede" que são os telefones celulares.



O Wall Street Jorunal The Wall Street Journal, descreve essa nova indústria que já oferece mais de 1 milhão de títulos. A matéria mostra que, além disso, as novelas publicadas no celular foram também transpostas para livros de papel, reforçando o carater de remediação da cultura contemporânea. Segundo o WSJ,

"In Japan, the cellphone is stirring the nation's staid fiction market. Young amateur writers in their teens and 20s who long ago mastered the art of zapping off emails and blogs on their cellphones, find it a convenient medium in which to loose their creative energies and get their stuff onto the Internet. For readers, mostly teenage girls who use their phones for an increasingly wide range of activities, from writing group diaries to listening to music, the mobile novel, as the genre is called, is the latest form of entertainment on the go.

EXCERPTS

"He laughs at Mai, who is so nervous she can hardly speak. Her chest starts to hurt. "What's up?"

Most of these novels, with their simple language and skimpy scene-setting, are rather unpolished. They are almost always on familiar themes about love and friendship. But they are hugely popular, and publishers are delighted with them. Book sales in Japan fell 15% between 1996 and 2006, according to the Research Institute for Publications. Several cellphone novels have been turned into real books, selling millions of copies and topping the best-seller lists. "Love Sky," one of the biggest successes so far, is about a boy with cancer who breaks up with his girlfriend to spare her the pain of his death. It has sold more than 1.3 million copies and is being made into a movie due out in November"

Labels: , , ,



posted by André Lemos at 9:52 AM - Permalink - Postar um Comentário